Vacina para a Prevenção do Câncer do Colo Uterino

Vacina para a Prevenção do Câncer do Colo Uterino

A vacinação de meninas contra o HPV antes do início da atividade sexual, e consequentemente, antes de serem expostas ao vírus, é o melhor método para a prevenção da doença. 

Desde que 95% dos casos de câncer do colo uterino são causados pela infecção persistente do HPV, a vacinação contra o vírus de meninos e meninas, hoje disponível no SUS é fundamental para a profilaxia da infecção e portanto ao desenvolvimento da doença a ela relacionada. Infelizmente o número de pessoas vacinadas permanece baixo.

As vacinas contra o HPV são caras e requerem refrigeração, sendo impraticável para grande parte do mundo em desenvolvimento, justamente o que carrega o maior fardo do câncer do colo do útero.

Embora o câncer cervical precoce possa ser tratado com cirurgia ou radioterapia, o câncer cervical metastático é incurável e novas abordagens terapêuticas são necessárias.

Mas como se instala e progride a doença?

A maioria das mulheres jovens se infecta com o vírus e especialistas acreditam que cerca de 90% das mulheres se infectarão em algum momento durante a vida.

O sistema imunológico da maioria das mulheres tem a capacidade de eliminar o vírus naturalmente depois de um período variável de tempo e por isso não ocorre o desenvolvimento do câncer do colo do útero.

Enquanto a maioria das infecções por HPV são eliminadas em meses, algumas persistem.

Os HPVs de alto risco, responsáveis pela doença, são aqueles que expressam oncogenes, ou seja, genes que propiciam uma proliferação descontrolada de células, levando ao câncer. Duas proteínas produzidas por HPVs de alto risco inativam dois genes muito importantes denominados p53 e RB, levando ao aumento da proliferação celular, instabilidade genômica, acúmulo de mutações somáticas nas células epiteliais do colo uterino e, em alguns casos, integração do HPV ao genoma do hospedeiro.

Esse conhecimento trouxe a possibilidade da melhoria nos programas de rastreamento do carcinoma do colo uterino através da detecção de seu agente causal, o HPV e de prevenção com o desenvolvimento da vacina. Isso nos traz a perspectiva de assistirmos ao declínio da incidência da doença preservado à saúde e à vida de milhares de mulheres.