Vacina contra HPV

Vacina contra HPV

Vacina contra HPV

A vacina contra HPV é indicada para a prevenção de cânceres do colo do útero, da vulva, da vagina, do ânus, verrugas genitais e quaisquer infecções causadas pelo papilomavírus humano (HPV).

O que é HPV?

Doença causada pelo papilomavírus humano (HPV) capaz de infectar a pele ou as mucosas. Porém, existem mais de 150 tipos diferentes de HPV, dos quais 40 podem infectar a região genital e provocar cânceres, como de colo do útero, vulva, vagina, pênis, ânus e orofaringe, e outros podem causar verrugas genitais.

A importância da imunização

A imunização tem como objetivo evitar a infecção pelos quatro tipos mais prevalentes de HPV, dois dos quais (tipos 16 e 18) estão altamente relacionados ao desenvolvimento de câncer de colo do útero.

Os outros dois tipos que são combatidos pela vacina (tipos 6 e 11) não são oncogênicos, mas provocam, entre outros sintomas, a formação de verrugas na pele e nas regiões oral (lábios, boca, cordas vocais), anal, genital e na uretra.

As vacinas contra HPV são para uso adulto e pediátrico e indicadas para meninas e mulheres entre 9 e 45 anos e para meninos e homens entre 9 e 26 anos. Possuem eficácia de mais de 98,8% e devem ser administradas antes do antes do início da atividade sexual.

Em ambos o sexos, previnem verrugas genitais e anais e os cânceres de orofaringe (boca e garganta) e do ânus, além de câncer de pênis nos homens e câncer de vulva, vagina e colo do útero nas mulheres.

Tipos de vacina e esquema vacinal

A Genoa/LPCM disponibiliza duas vacinas que são consideradas de alta eficácia na literatura médica: Gardasil e Cervarix.

A Gardasil (MSD) é uma vacina quadrivalente e específica para os subtipos 6, 11, 16 e 18. Deve ser aplicada em 3 doses: 1ª dose na data escolhida, 2ª dose após 2 meses e 3ª dose após 6 meses da 1ª dose.

A outra, a Cervarix (GSK) é bivalente recombinante, ou seja, protege contra os subtipos 16 e 18 que são os mais comuns e de alto risco, os chamados vírus oncogênicos.

Como é a transmissão do HPV?

A transmissão do HPV ocorre por contato direto com a pele ou mucosa infectada, não necessariamente apenas por relações sexuais. Também pode ser transmitido de mãe para filho durante o parto.

Por se tratar de um vírus altamente transmissível, o HPV se aloja tanto na mucosa quanto na pele da região genital.

Portanto, o preservativo, apesar de evitar muitas transmissões do HPV e prevenir outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), nem sempre evita a contaminação pelo vírus. Desse modo, a melhor forma de combater sua disseminação é vacinar a população não contaminada.

Estudo realizado pelo Ministério da Saúde revela que a maioria dos jovens têm HPV no Brasil. Logo, o HPV está longe de ser uma doença rara no país.

Importante

As mulheres, mesmo vacinadas, devem continuar fazendo exames Papanicolaou após o início da vida sexual, pois há mais de 200 subtipos de HPV que, apesar de raros, incluem alguns de alto risco.

Quando as alterações são identificadas e tratadas no início, é possível prevenir a doença em 100% dos casos.

Agende as vacinas agora

Proteja os seus filhos! Proteja quem você ama!

E lembre-se que a vacina contra HPV é indicada para a prevenção de cânceres do colo do útero, da vulva, da vagina, do ânus, verrugas genitais e quaisquer infecções causadas pelo papilomavírus humano (HPV).

Conheça o nosso portfólio de vacinas, clique aqui.

Ligue agora: (11) 3135-6880 ou (11) 96318-8021.



 

Agendar

 

 

Exames

 

Para agendar seus exames, entre em

contato conosco na Grande São Paulo

(011) 3135-6880 ou (011) 3135-6920

 

 

Horário de Atendimento:

Todos os dias das 7h às 19h