Rastreamento do Câncer de Mama

A mamografia digital da Unidade Angélica

Rastreamento do Câncer de Mama

A mamografia digital é a melhor forma de rastreamento do câncer de mama.

O risco de uma mulher desenvolver câncer de mama em algum momento da vida é de cerca de 13%, ou seja, uma em cada oito mulheres.

O câncer de mama representa 30% de todos os cânceres da mulher e ocorrerá principalmente após a meia-idade. As mulheres negras têm idade mediana de diagnóstico mais jovem e também maior taxa de mortalidade pela doença.

Alguns fatores responsáveis pelo aumento do risco de desenvolver o câncer de mama

Vários fatores contam para aumentar o risco de desenvolvimento de tumor de mama e um de grande importância é o sobrepeso e a obesidade após a menopausa.

Antes da menopausa, os ovários da mulher produzem a maior parte de seu estrogênio e o tecido adiposo, apenas uma pequena parte dele. Na menopausa, os ovários param de produzir estrogênio e sua maior parte vem do tecido adiposo.

Ter mais tecido adiposo pode aumentar os níveis de estrogênio e aumentar o risco do desenvolvimento do câncer de mama. Mulheres acima do peso também tendem a ter níveis mais elevados de insulina no sangue que têm sido associados a alguns tipos de câncer, incluindo o de mama.

Atualmente não se recomenda o autoexame como técnica para rastreamento do câncer de mama. Estudos demonstraram a baixa efetividade e possíveis danos associados a essa prática.

A importância da mamografia digital

A mamografia digital é a melhor forma de rastreamento e deve ser feita de rotina em mulheres sem a presença de sinais ou sintomas. Recomenda-se que seja feita a cada dois anos  e com início aos 40 anos.

Os estudos de imagem de mamografia são classificados por meio de uma ferramenta de avaliação de risco desenvolvida pelo American College of Radiology, denominada BI-Rads.

Do inglês, a sigla BI-Rads significa Breast Imaging-Reporting and Data System, pela ferramenta são atribuídas sete categorias de avaliação que variam de 0 a 6. Essas categorias consideram simetria, formação de massas, distorção arquitetural e calcificações suspeitas.

A mamografia digital provou ser a única modalidade de triagem com alto impacto para detecção de lesões precoces que mostra, com precisão,  diminutas alterações no tecido mamário antes que a paciente ou seu médico as percebam. Por isso, o exame é responsável pela redução de 30% na mortalidade do câncer de mama.

A Unidade Angélica da Genoa/LPCM realiza o exame de mamografia digital no Espaço da Mulher, uma ala exclusiva para o público feminino que oferece conforto, privacidade, tecnologia e atendimento humanizado.