Mutações e Câncer

Mutações e Câncer

Semelhante à evolução das espécies as células do corpo humano estão sujeitas às forças de mutação e seleção. Esse processo de evolução somática começa no ovo e só cessa na morte do indivíduo, período no qual são  introduzidas de 1 a 10 mutações por divisão celular.

A maioria dos erros e inofensiva, mas eventualmente podem causar ou aumentar o risco de câncer o que é impossível saber até que haja sinais ou sintomas físicos.

Os tipos de mutação nos genomas do câncer são bem conhecidos, mas pouco se sabe sobre o momento em que essas alterações ocorrem e se estão relacionadas a progressão do câncer.

O sequenciamento em massa de amostras de tumores permite a reconstrução parcial da sua história evolutiva com base no catálogo de mutações acumuladas e a ordenação temporal de mutações em muitas amostras.

A revista Nature de Fevereiro deste ano publicou o sequenciamento dos genomas de mais de 2.500 amostras de tumor. O estudo determinou a ordem em que as mutações ocorrem, sendo que é necessário mais de uma mutação antes que as células se tornem cancerosas.

Estudando diferentes tipos de câncer, os pesquisadores fizeram um modelo de seu desenvolvimento ao longo do tempo. Eles usaram essas informações para escrever uma “história de vida” típica para os diversos tipos de tumor, mostrando em que momento as mutações aconteceram durante o desenvolvimento do câncer. Mas não e possível estimar se as mutações estavam presentes há anos ou décadas antes da sua detecção.

No entanto, o resultado dessa pesquisa ainda não e viável para ser usado na pratica para o rastreamento do câncer baseado na verificação de “sinais genéticos de alerta precoce”.

Atualmente, a melhor maneira de detectar o câncer precocemente é estar alerta aos sinais e sintomas, participar de rastreamento dos tumores mais prevalentes e conhecer o histórico familiar da doença.  A ideia de procurar mutações fazendo exames de DNA durante a infância e depois eliminar mutações perigosas continua sendo “ficção científica”.

Referência:  Gerstung M et al The evolutionary history of 2,658 cancers Nature, February 2020 Vol 578, 122–128